Museu Egípcio Intinerante

Institucional

Home > Institucional

O museu intinerante

A história do Antigo Egito é a que mais chama a atenção e desperta o interesse dos historiadores, curiosos e estudantes de todas as épocas. A grandeza dos restos arquitetônicos, a riqueza encontrada nas pirâmides, ruínas e túmulos, os mistérios criados em torno da arte e das próprias construções, tudo contribui para que a história da terra dos faraós seja um assunto palpitante e atual.

O Museu Egípcio Itinerante apresenta uma visão ampla da história egípcia, com mais de três milênios de civilização. Através de seu acervo com mais de 400 peças, o museu procura mostrar uma realidade no Brasil, que ficou durante milhares de anos escondida no meio das ruínas, sepultada nas areias, esquecida nas velhas inscrições que ninguém, até dois séculos atrás, sabia traduzir.

O Museu Egípcio Itinerante circulando o Brasil usou uma linguagem para apresentar esta riqueza oferecendo ao povo brasileiro a oportunidade de mergulhar nos mundos dos Faraós através do com ambiente climático e o “Espetáculo de Som e Luz”, onde as estátuas, num sopro de vida, contam sua história.

É uma maneira moderna de comunicação, que une o passado ao presente de forma clara, objetiva e dinâmica, facilitando a compreensão do público sobre a história do Antigo Egito e ao mesmo tempo é um belíssimo espetáculo para lazer.

O idealizador do museu itinerante, o artista plástico Essam Elbattal, montou um acervo significativo de informações, apresentadas em forma de réplicas esculpidas, pinturas em papiros, etc., que permitem aos visitantes do museu itinerante um mergulho na história desta fascinante civilização; dos costumes, do povo, das crenças, das realizações artísticas e arquitetônicas, tudo o que torna possível o entendimento de uma civilização que há cinco milênios atrás já conheciam técnicas que usamos até os tempos atuais.

O Museu Egípcio Itinerante já circulou boa parte do mundo consagrando-se em cada país que passou como Japão, Alemanha, África do Sul, Estados Unidos, Nova Zelândia e no Brasil foi onde teve uma melhor recepção pela grande vontade de conhecer e absorver a cultura que o povo brasileiro possui.